quinta-feira, 7 de abril de 2011

Ecos do Campo de Batalha - Descobertas Fantásticas em Campo de Batalha Medieval.

Recentemente o jornal The Economist trouxe um artigo interessante a respeito de descobertas arqueológicas no local onde ocorreu uma das mais sangrentas batalhas da história da Grã-Bretanha.

Em 1461, o Exército dos Lancaster enfrentou as tropas de York em uma batalha que ficou conhecida como Batalha de Towton.

Este vasto sítio arqueológico é notável porque nele ocorreu uma das maiores batalhas medievais do período - envolvendo segundo estimativas mais de 75 mil soldados, o equivalente a 10% da população apta a lutar da Inglaterra. Estas tropas se enfrentaram em apenas um dia de sangrento confronto com resultados dantescos para ambos os lados.

O que difere esse sítio dos demais é que da maneira como está sendo feita a escavação dos restos de corpos e artefatos, é possível aprender muito a respeito de cada indivíduo ali enterrado. Ao contrário do trabalho realizado em outros campos de batalha históricos, como por exemplo na Batalha de Wisby, os arqueólogos não trabalham com quadrantes, mas sim com exumações individuais.


Dessa forma, os homens enterrados nas valas comuns estão sendo descobertos trajando ainda os restos de suas armaduras, ao lado das armas que usaram, com os companheiros que travaram a luta e em alguns casos ao lado dos inimigos que os mataram.

Algumas descobertas muito interessantes foram feitas a respeito de quem eram esses homens:

1. Os homens que travaram essa batalha eram grandes. Existe um pensamento recorrente de que séculos atrás os ingleses eram um povo de baixa estatura com dentes podres. Acontece que os corpos que estão sendo retirados do campo de batalha tem a mesma altura média dos ingleses dos dias atuais. Muitos dos soldados tinham mais de 1,85 de altura, boa constituição física derivada de uma dieta razoável e dentes fortes.

2 - Muitos dos soldados haviam tido experiência prévia em outros combates. Análise dos restos, revelaram que muitos soldados tinham velhos ferimentos pelo corpo antes de morrer nessa batalha em particular. A grande maioria desses homens não eram portanto camponeses recrutados para a luta, mas soldados treinados. A idade média deles era de 17 a 50 anos, mas foram encontrados restos pertencentes a adolescentes (13 anos) e velhos com mais de 60 anos.

3 - O fato de tantos homens apresentarem ferimentos detectáveis, mas de um modo geral cicatrizados, atesta que a medicina da época embora rudimentar, podia ser eficiente o bastante para salvar um homem ferido no campo de batalha. Existem indícios que alguns homens foram tratados e os ossos calcificaram bem o bastante para permitir que eles retornassem às fileiras de combate. Historiadores dizem que tanto os Lancaster quanto os York usavam barracas móveis para tratar seus feridos.

4 - Os arqueiros eram treinados desde cedo. Muitos dos esqueletos possuíam calcificação no ombro e omoplata, sugerindo que desde criança eles eram treinados no manejo do arco composto inglês. Além disso, um dos esqueletos possuia um tipo especial de desenvolvimento ósseo que só poderia ter surgido com o stress dos óssos durante a adolescência. É possível supor portanto que os arqueiros começavam a ser treinados com apenas 12-13 anos.

5 - Os exércitos já usavam armas de fogo. Muitos dos cadáveres apresentavam ferimentos causados por projéteis de chumbo que podem ter sido disparados por armas de fogo primitivas. Essa descoberta reduz em 30 anos a data que se imaginava que tais armas haviam sido introduzidas em larga escala na Inglaterra.

6 - A batalha foi gigantesca. O campo de batalha ocupava mais de 2 quilômetros de extensão e as tropas se encontraram exatamente em uma planície aberta com pouca vegetação. Segundo os cronistas da época a luta aconteceu em uma manhã chuvosa que transformou o campo em um charco lamacento com depósitos de água de até 30 centímetros de profundidade. Nessas condições homens vestindo armaduras pesadas foram facilmente derrubados ou simplesmente encorregavam. Muitas armaduras foram por essa razão descartadas no campo de batalha a medida que os homens avançavam uns contra os outros.

7 - Os homens transportavam consigo além das armas e armaduras, dezenas de pequenos objetos que poderiam ser encarados como amuletos da sorte. Os arqueólogos descobriram uma enorme variedade desses objetos levados amarrados no pulso, em volta do pescoço ou tornozelo. Os objetos iam desde pequenos sacos de couro, até vinhas, sementes, pontas de flecha, pequenas imagens, cruzes e inevitavelmente pés de coelho. A grande quantidade de objetos de natureza pagã demonstra que velhas tradições ainda eram comuns entre os guerreiros, mesmo em uma época dominada pela cristandade.
8 - Embora muitos homens montados tenham lutado em Towton, os cavalos foram de pouca utilidade uma vez que o terreno lamacento e instável deixou os animais ariscos. Os arqueólogos concluíram que um número alarmante de homens foram esmagados pelas patas dos cavalos. As grandes montarias britânicas eram bestas fortes e selvagens durante a batalha. Um cavalo de guerra podia coicear, pisotear e morder quem estivesse à sua volta (aliado e inimigo).

9 - Os exércitos estavam muito bem equipados. As armas mais comuns encontradas com os soldados enterrados nas valas eram espadas curtas, facas e martelos de guerra. Foram encontrados além dessas armas espadas longas, escudos redondos, machados, achas, porretes e lanças. Cerca de 25% dos cadáveres trajava algum tipo de armadura metálica e 70% deles tinha algum tipo de traje protetor feito de couro curtido ou lã grossa. As tropas que não vestiam uniformes se identificavam através de braçadeiras coloridas. Em meio a sujeira, lama e caos é bem provável que os soldados não conseguissem identificar corretamente quem eram seus inimigos. Uma vala escavada encontrou dois homens de Lancaster que parecem ter morrido em luta direta.

10 - Foram encontrados três corpos ainda vestindo restos que supostamente pertenciam a indumentária religiosa. Um deles foi inclusive enterrado ao lado de uma espada curta. Isso leva a crer que entre as fileiras de soldados haviam padres e monges que participavam ativamente da luta.

11 - Em Towton fica evidente a brutalidade dos guerreiros da época. A maioria dos esqueletos recuperados demonstram danos maciços repetitivos causados por armas, principalmente na cabeça. Isso sugere que os guerreiros visavam primeiramente a cabeça de seus adversários uma área onde ferimentos com armas pesadas eram letais. Há também uma possibilidade mais mórbida, os guerreiros recebiam instruções para depois de derrubar seus oponentes rachar suas cabeças a fim de ter certeza que o inimigo estava morto. A enorme quantidade de crânios com fratura craniana aponta para isso.

12 - Poucos corpos foram pilhados. Após uma batalha era um costume difundido em todos os exércitos medievais remover quaisquer objetos de valor dos mortos. Em Tontown muitos objetos, como valiosas armaduras e espadas, ainda foram achadas com os mortos. As explicações para isso são que não havia nenhum vilarejo próximo (ou aldeões para vasculhar os corpos) e o fato do terreno possuir depressões profundas que estavam naturalmente abertas. Com isso os mortos foram convenientemente lançados e depois cobertos.

13 - Outra explicação folclórica é que o campo de batalha de Towton teria sido imediatamente abandonado pelos sobreviventes após a luta. Dizem que o campo enlameado ficou tão coalhado de sangue e de corpos mutilados que os soldados não queriam ficar perto dele. Por muitos séculos a região foi considerada assombrada pelos espíritos de soldados que pereceram nesse campo de batalha.

14 - Um fato curioso é que os soldados mortos foram enterrados em valas comuns. Não foi feita distinção entre os homens jogados nessas valas, soldados que morreram pelo brasão Lancaster e os defensores de York foram para o descanso final lado a lado como um irônico símbolo da futilidade dessa guerra.

Towton é um símbolo do horror e da destruição que eram as grandes batalhas da Idade Média. Os arqueólogos supõem que existam mais de 30 mil esqueletos sepultados sobre essa planície e que levarão pelo menos 5 anos para concluir os trabalhos de escavação nesse campo de morte.
Hoje passados mais de 550 anos, os homens enterrados nos arredores do campo de batalha de Towton ainda podem ser ouvidos como se desejassem de alguma forma dar seu testemunho sobre uma época brutal.

11 comentários:

  1. ...excelente post...parabens cara...

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, sou historiador e professor de História e adorei a matéria, principalmente as novas descobertas e como os arqueólogos estão estudando. Incrível!


    Muito bom!Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Eu achei muito interessante também.

    Embora não seja o tipo de artigo normal no Blog, acho que esse tipo de assunto vale a pena ser abordado.

    ResponderExcluir
  4. Caramba, 75 mil é muita gente. Ótimo artigo mesmo, parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Recomendo ler Bernard Cornwell!
    Muitas das coisas citadas já estão presentes nos seus livros!=)

    ResponderExcluir
  6. pelo comentário nem naquela época alguém demonstrava que matar seu semelhante é coisa fútil e sem precedencia

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo belo trabalho de reconstituição de alguns retalhos da vida destes homens, onde será que estava o seu rei no momento da matança?
    PARABÈNS pela descoberta.

    ResponderExcluir
  8. Bem, no que se refere a brutalidade violência em geral, compare a violência daquele tempo com a essa de nossas guerras modernas,meu chapa.Em todas as épocas da história do mundo houve violência.Bobagem discutir sobre isso!

    ResponderExcluir
  9. Muito bom o artigo; ficou so carente de referencias, muito importante para quem quer aprofundar o assunto!

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pelo Post.
    Este é o verdadeiro papel de um professor de história.
    É não ficar fazendo doutrinação ideológica.

    ResponderExcluir