sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Indestrutíveis Bestas de Carga - A Anatomia dos Shoggoth

Os Shoggoth são uma das criações mais tenebrosas de H.P. Lovecraft.

Recentemente um leitor perguntou o que diabos era um Shoggoth e assim eu me dei conta que o Mundo Tentacular estava negligenciando essas pobres aberrações.

Bem, não mais...

ANATOMIA DOS SHOGGOTH

A massa protoplásmica viva que compõe os Shoggoths é formada por um colóide translúcido, semi-fluido de aspecto viscoso. Ao longe ele parece uma enorme concentração de piche sempre gotejando, formando apêndices, membros, olhos, bocas que surgem e se dissolvem.

A membrana que reveste o protoplasma dos Shoggoth é incrivelmente resistente. Essa película transparente é capaz de suportar extremos de temperatura, exposição direta ao fogo de um maçarico de acetileno, doses maciças de radiação ou descargas elétricas sem aparentar qualquer desgaste. O frio extremo (temperaturas inferiores a -100 graus) é capaz de congelar parcialmente a membrana deixando os movimentos da criatura mais lentos. Munições e explosivos têm pouca chance de penetrar na película que absorve energia cinética dispersando qualquer impacto direto.

Não bastasse a resistência, Shoggoths demonstram uma notável capacidade regenerativa natural. A parte externa dos Shoggoth é dotada de poros que secretam uma espécie de muco responsável por "remendar" os ferimentos. Quando a criatura registra um ferimento, começa a produzir essa substância que rapidamente cobre a área afetada protegendo e regenerando. Em poucos minutos a região é totalmente reconstruída.

De um ponto de vista prático, Shoggoths são virtualmente indestrutíveis, exceto pelo uso de explosivos extremamente potentes ou artefatos nucleares. Eles também são imunes a passagem do tempo e não conhecem limitações impostas por envelhecimento, prova disso é o fato que após milhões de anos, os espécimes da Antártida permanecerem ativos. Shoggoths não precisam de alimento, luz ou oxigênio para sobreviver, o que os torna extremamente adaptáveis a qualquer ambiente.

Além da resistência, a membrana tem a capacidade de absorver matéria orgânica e usar o resultado dessa decomposição para crescer. Shoggoths podem absorver animais ou vegetais, ampliando sua massa e tamanho. A absorção e feita através do contato por meio de secreções enzimáticas que dissolvem e assimilam a matéria orgânica. Um Shoggoth é capaz de dissolver o corpo de um ser humano adulto, decompondo ossos e tecidos em poucos minutos.

Quando criaram os Shoggoth, os seres ancestrais impuseram limites para a capacidade de absorção a fim de evitar o crescimento descontrolado. Aparentemente, o limite foi gravado no DNA de cada espécime e varia de acordo com a função para a qual a criatura foi concebida. É possível que existam Shoggoths de tamano colossal, enquanto outros atingem apenas alguns metros.

Outra característica da membrana é a maleabilidade funcional. Cada Shoggoth foi criado para executar tarefas e para cumprir essas funções da maneira mais eficiente possível. Eles podem moldar seus corpos e assumir formas que em geral copiam os membros ou apêndices dos Anciões. Um Shoggoth criado para auxiliar em construções, por exemplo, pode formar dezenas de braços para puxar um objeto ou ainda tentáculos fortes como aço para prender, erguer ou arrastar blocos de pedra.

Os Shoggoths são incrivelmente fortes, podendo levantar do chão monolitos de pedra ou derrubar paredes com sua massa esmagadora. Eles também são incansáveis podendo trabalhar por dias a fio sem necessidade de descanso. As enormes cidades de pedra que os Shoggoth ajudaram a construir são uma prova de sua força implacável e capacidade inabalável.

Além de criar membros temporários para auxiliar em suas tarefas, Shoggoths podem formar uma infinidade de órgãos sensoriais que recobrem sua membrana externa. Os olhos se adaptam as condições de luminosidade podendo ter diferentes cores, tamanhos e formatos. Eles conseguem enxergar perfeitamente no escuro ou nas profundezas do oceano. Shoggoths podem criar ou dissolver bocas, usadas tanto para segurar objetos quanto para morder. Durante sua revolta, as criaturas executavam seus antigos mestres decapitando-os violentamente com uma única e letal mordida.

Shoggoths não possuem senso de olfato e são surdos. Podem, contudo, captar ondas de choque bastante sutis como, por exemplo, as causadas por alguém andando. Ondas sonoras criam reverberações registradas pela membrana externa e detectada quase que imediatamente. Sua prontidão e alerta, torna-os excelente guardiões.

Shoggoths são incapazes de verbalizar palavras através de aparato vocal. Entretanto, eles preferem usar o método dos seres ancestrais para se comunicar. Formando canais ocos em sua membrana eles sopram e assoviam, gerando sons e ruídos que podem ser interpretados como uma comunicação. O som descrito como "Tiki-li-li" pelos sobreviventes da Expedição Miskatonic, provavelmente é resultado do sopro através dessas câmaras ocas.

Os Shoggoth foram concebidos para a vida marinha e nesse ambiente assumem uma forma mais ou menos esférica que se desloca com leves movimentos de apêndices natatórios. Em terra, eles se movem arrastando sua enorme massa por intermédio de pseudópodes que se esticam e agarram o solo. Apesar de suas dimensões, podem se deslocar com notável rapidez considerando a massa e peso total.

Os Anciões dominavam uma forma de telepatia muito avançada empregada para comunicação no espaço ou no fundo do mar. Seus cérebros com cinco lóbulos conectados a finos cílios no topo da cabeça emitiam comandos telepáticos que agiam diretamente sobre os Shoggoths. Essa forma de comunicação permitia transmitir instruções diretamente na mente rudimentar de seus operários. Através desses comandos mentais, os Anciões controlavam os Shoggoths da mesma maneira que humanos conduzem tratores ou escavadeiras.

Como medida de segurança, os Shoggoth foram criados sem iniciativa própria e dotados com uma inteligência apenas rudimentar. Para todos os efeitos, eles não passavam de ferramentas de trabalho, destituídos de livre arbítrio e incapazes de tomar decisões.

Quando a hegemonia dos seres ancestrais começou a ser contestada por outras formas de vida alienígena, os Shoggoth foram usados como armas. Isso desencadeou um processo de auto-preservação na mente dos Shoggoth que lhes permitiu romper o controle de seus mestres e desafiá-los. A imponderável insurreição quase ocasionou a destruição do Império da Raça Ancestral.

Com o desaparecimento dos seres ancestrais, muitos estudiosos do Mythos se perguntam a respeito dos Shoggoth. Os últimos registros afirmam que eles partiram para as profundezas marinhas quando a Era do Gelo tornou sua existência na superfície inviável. Ao migrarem para o fundo do mar, levaram consigo os Shoggoth.

Há rumores que a raça submarina dos Abissais tenham encontrado e compelido essas aberrações protoplásmicas à servidão. O Livro de Eibon menciona que Shoggoths protegem as portas da tumba de R'Lyeh onde dorme o Grande Cthulhu. Mesmo feiticeiros humanos já foram capazes de invocar Shoggoths através de magias muito antigas e rituais.

Alguns cultos de entidades do Mythos se vangloriam de contar com tais criaturas, usadas como guardiões de seus templos. Shoggoths, no entanto, são criaturas de vontade volátil propensas a se rebelar contra seus mestres. Compelir tais seres a servidão pode trazer resultados inesperados e mortais.

9 comentários:

  1. Cara muito boa leitura.
    Por isso venho demais aqui, cada dia minha sede de conhecimento dos Mythos é saciada.
    Parabens e se um dia der, fale um pouco sobre "A Cor que Caiu do céu"

    ResponderExcluir
  2. Opa Inverno, obrigado pelos elogios.

    Sobre a cor, creio que você vai gostar de ler esse artigo:

    http://mundotentacular.blogspot.com/2010/03/o-terror-vem-do-espaco-anatomia-da-cor.html

    ResponderExcluir
  3. Nossa , essas criaturas são excelentes antagonistas para uma campanha de rpg de horror , muito bem adaptável para lobisomem

    http://crossoverpg.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Luciano, meus parabéns novamente pelo seu excelente trabalho.

    Porque você não faz um PODCAST do mundo tentacular? Já pensou nisso? Acredito que será mais um adicional para o site ficar melhor ainda.

    ResponderExcluir
  5. Pesquisando sobre Lovecraft e As Montanhas da Loucura (que estou terminando de ler) acabei achando este bloguinho super instigante!Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Caro:

    Primeiramente ótimo texto, bem escrito.

    Segundamente, gostaria de esclarecer uma dúvida:

    Sempre vejo mencionado "Os Anciões" como os criadores dos Shoggoth. Tem alguma descrição de como seria esta raças(s)?

    Grato

    ResponderExcluir
  7. Opa Rogério,

    Nesse artigo, há uma imagem de uma das criaturas da Raça Ancestral. É a segunda imagem preponderantemente azul. São criaturas em forma de barril e cabeça mais ou menos em formato de estrela do mar.

    http://mundotentacular.blogspot.com.br/2011/12/materia-viva-que-da-forma-aos-pesadelos.html

    ResponderExcluir
  8. Oi King:

    Obrigado pela resposta e pelo link. Ambos acabaram por responder minha consequente segunda pergunta: o que aconteceu com eles?

    No mais continuem o bom trabalho...




    ...ou Ctulhu vai acabar com vocês!

    ResponderExcluir
  9. Eu sempre gostei de Lovecraft, tenho me aprofundado cada vez mais no conhecimento dos Mythos e esse blog tem ajudado muito! Só coisa boa por aqui. Minhas campanhas de RPG agradecem!

    ResponderExcluir