quinta-feira, 27 de junho de 2013

Elder Sign - Explorando um museu na esperança de salvar Arkham nesse Boardgame


A existência de exóticos objetos e artefatos ligados ao ocultismo em exposição no museu, representa uma nova ameaça para a cidade de Arkham. Esses itens enfraquecem a barreira entre as dimensões, permitindo a abertura de portais e a invasão de terríveis monstros que por sua vez preparam o caminho para a chegada de algo ainda mais terrível, um dos Grandes Antigos que deixará a Terra e a humanidade em escombros. Apenas um grupo de dedicados investigadores possui o conhecimento e a coragem, e talvez os aliados e ferramentas, para utilizar misteriosos Símbolos Ancestrais capazes de selar os portais e evitar a chegada desse mal ancestral.

Esta é a premissa central de Elder Sign (Símbolo Ancestral), jogo de tabuleiro dos mesmos criadores de Arkham Horror e Mansions of Madness (leia as resenhas desses jogos no final do artigo). Trata-se do terceiro jogo de tabuleiro da empresa Fantasy Flight inspirado pelos contos e estórias de horror de H.P. Lovecraft. Elder Sign assim como os anteriores é um jogo cooperativo para dois a oito participantes, com um tempo de jogo médio de duas horas. O elemento cooperativo significa que os demais jogadores não disputam entre si, o oponente é a própria mecânica do jogo. Através de um elegante sistema de regras, os jogadores não apenas terão um tempo limite para vencer o jogo (impedindo a chegada do Antigo), mas irão precisar, a cada etapa, lidar com desafios que irão surgindo para testar suas habilidades. Para enfrentar esses desafios, e também para encontrar itens úteis na sua missão, os investigadores tem de explorar cada ala do museu e enfrentar o que quer que se esconda nos salões da exposição.  


Elder Sign possui cartas de vários tamanhos e formas, peças (counters), um "relógio" para marcar a passagem do tempo e um conjunto de dados personalizados. 

As cartas grandes são divididas entre o Baralho dos Investigadores, Aventuras e Grandes Antigos, enquanto as cartas menores contém Itens Comuns e Únicos, Magias e Aliados - elementos que beneficiam os Investigadores e concedem a eles vantagens e ferramentas para cumprir as tarefas. Em contraste, existem ainda as Mythos Cards que descrevem eventos, efeitos e acontecimentos desagradáveis que ocorrem sempre que o Relógio marca meia-noite e permanecem ativos no jogo até uma volta completa do ponteiro.

O jogo oferece dezesseis personagens para serem usados pelos jogadores como Investigadores do Sobrenatural. Cada um deles possui itens iniciais, um determinado número de pontos de Resistência e Sanidade e habilidades especiais únicas. Para quem está familiarizado com os demais jogos da Fantasy Flight, encontrará alguns personagens recorrentes. O mágico Dexter Morgan por exemplo é um mágico que estudou magia real, sempre que ele receber uma carta de magia no decorrer do jogo, ganhará uma extra. Enquanto isso, Gloria Goldberg, a escritora foi abençoada com uma sensibilidade psíquica que permite receber um dado extra em determinadas circunstâncias.


Durante o jogo, os Investigadores enfrentam um dos oito Grandes Antigos. Eles incluem criaturas saídas dos cenários lovecraftianos: Azathoth, Cthulhu, Hastur, Ithaqua, Nyarlathotep, Shub-Niggurath, Yig, e Yog-Sothoth. Cada um demanda um determinado número de Símbolos Anciões (os Elder Signs) para que a ameaça que eles representam seja vencida. Um Grande Antigo desperta de seu sono quando o Doom Track (uma cartela com um determinado número de espaços) é totalmente preenchida e aí não resta alternativa senão enfrentar o monstro e suar a camisa para derrotá-lo. Cada um dos Grandes Antigos possui seus próprios poderes e fraquezas e vão exigir uma tática específica para serem vencidos.


As cartas de aventura possuem cada uma um título, um valor de recompensa (Trophy Value), um texto evocativo e um grupo de tarefas que precisam ser completadas se o investigador quiser ser bem sucedido na aventura proposta. É claro, tudo isso tem um lado ruim: uma penalidade caso o investigador falhe em sua tentativa de resolver as tarefas naquela carta. A boa notícia é que solucionando uma carta, o jogador ganha uma recompensa e faz progresso no jogo. 


As tarefas envolvem rolar dados e tentar obter as combinações corretas conforme mostrado na carta, algumas são mais fáceis, outras vão ser bem difíceis de serem obtidas.

Falhar na resolução de uma Adventure Card tem um custo de Sanidade, Stamina ou das duas coisas. Uma falha pode ocasionar a aparição de um monstro, o avanço do relógio ou até colocar mais uma peça no Doom Track. Mas sem um pouco de risco, não há benefício. Recompensas na forma de Itens, Magias e aliados, bem como Elder Signs e Clue Tokens devem ser conseguidos dessa forma. Nem todas as recompensas são boas, algumas vão ser mais úteis que outras, mas o fator inesperado é um dos atrativos do jogo.


As cartas pequenas representam os Itens (comuns e únicos), as Magias e os Aliados. Essas cartas são úteis no momento de resolver as tarefas pois adicionam dados ao seu rolamento, permitem rolar novamente resultados ruins; permitem recuperar pontos perdidos, ou no caso de algumas magias permitem que rolamentos bons sejam mantidos para usar em futuras tarefas. Os Aliados concedem algumas habilidades especiais, como por exemplo Richard Upton Pickman que pode alterar resultados rolados. 


As Cartas do Mythos (Mythos Cards) estão lá para criar caos e confusão, elas tem dois efeitos básicos: o primeiro entra em ação imediatamente, mas seus efeitos cessam. O segundo tem uma duração mais longa, mantendo-se ativo até que uma nova carta elimine sua ação. O propósito desses efeitos são criar distrações e atrapalhar as ações dos jogadores, tornando a missão deles ainda mais complicada.  


O jogo inclui peças que representam a Sanidade, Stamina, os Personagens, Clue Tokens (pistas, que permitem ao jogador re-rolar o dado), marcadores do Símbolo Ancião e do Doom Token. As peças são feitas em papelão resistente e fornecem um atrativo visual bem evocativo. Os que conhecem a qualidade dos jogos da Fantasy Flight sabem do cuidado que a empresa tem com o lado visual e não vão ficar desapontados com o alto padrão do material que compõe a caixa. Os desenhos e ilustrações são ótimos abordando o universo de H.P. Lovecraft em detalhes. Todos os componentes evocam uma perfeita sintonia da mecânica com o tema da ambientação. 

Também temos peças que representam os monstros invocados durante o jogo e que também funcionam como um elemento aleatório de risco para completar as missões.

O componente final do jogo é o Relógio de Ponteiros (feito de papelão) que serve para marcar a passagem do tempo e determinar quando novas cartas do Mythos serão viradas. 


Os dados são o coração do jogo, eles são usados ao longo da partida para que os jogadores tentem completar as tarefas listadas nas Cartas de Aventura. Os dados vem em três cores. Os seis dados verdes são os mais comuns e são rolados quando qualquer tarefa é tentada. O dado amarelo possui resultados melhores do que os verdes, enquanto o vermelho é ainda melhor. Em geral, é preciso empregar uma carta de item, magia ou aliado para ter acesso a dados de outras cores além dos verdes. Saber o momento certo de usar uma dessas cartas e obter a vantagem faz parte das manhas que aos poucos se aprende com o jogo.


Os preparativos para jogar Elder Sign não tomam muito tempo. Cada jogador escolhe (ou sorteia) um personagem e recebe seus itens iniciais. Um Grande Antigo é selecionado e colocado na mesa ao lado do relógio, marcando meia-noite. No início do jogo, são reveladas seis Cartas de Aventura para onde os investigadores podem convergir. Na primeira rodada também se abre uma Carta do Mythos para apimentar as coisas.

Em sua rodada, o jogador envia seu personagem para uma das salas representadas pelas Adventure Cards. Ele apanha os dados verdes, faz os ajustes e emprega seus itens para melhorar suas chances de sucesso na tarefa. Como fito, o jogador precisa rolar os dados e igualar os símbolos no dado com aqueles que estão na Adventure Card. Cada vez que ele consegue uma sequência correta, os dados são colocados sobre ela. A cada falha ele precisa descartar um dado reduzindo as suas chances de sucesso. Se ele conseguir completar as tarefas propostas recebe as recompensas listadas na carta. Se falhar, o investigador sofre as consequências conforme descrito. 

Alternativamente, o jogador pode enviar seu personagem até a Entrada do Museu para vasculhar itens, curar seus ferimentos ou restaurar pontos de Sanidade perdidos.


Tão logo a rodada dos investigadores se encerra, o relógio avança um quarto de dia. Cada vez que ele atinge a meia noite uma nova Carta do Mythos entra na partida. Como os efeitos variam enormemente é correto afirmar que uma partida sempre será diferente da seguinte em matéria de dificuldade e desafio. A cada meia noite, o Grande Antigo também chega mais perto através da Doom Track.  

Os invetsigadores também podem optar por enfrentar um monstro. A mecânica é semelhante a das tarefas nas Cartas de Aventura, com o investigador tendo de rolar dados e obter combinações de símbolos iguais às descritas na carta do monstro. Se ele conseguir a combinação, o monstro é derrotado, se não... bom, as criaturas do Mythos podem ser bastante malvadas.

Se a sanidade ou a Stamina de um Investigador for reduzida a zero, ele é destruído física ou mentalmente pelo horror. Em termos de jogo, é devorado! O jogador então terá de escolher um novo personagem, com novos itens e estratégias. Ele perde tudo aquilo que conquistou com seu personagem anterior.

Vencer uma partida de Elder Sign não é nada fácil, a missão é dificultada a medida que Cartas do Mythos que permanecem ativas limitam as opções dos investigadores e amarram o seu progresso. Monstros também começam a infestar o tabuleiro o que cria complicações, sobretudo porque alguns monstros possuem o poder de "prender dados" dificultando ainda mais a resolução das tarefas. 


Uma estratégia bem pensada e distribuída entre os jogadores é um dos segredos para o sucesso. É claro, os jogadores de primeira viagem irão sofrer um pouco até se habituar a mecânica, mas o jogo não é tão pesado quanto pode parecer e logo todos começam a pegar as manhas, descobrindo que trabalho de equipe, organização e um pouco de sorte serão essenciais para vencer.

O livro de regras talvez seja um pouco sucinto com suas breves 12 páginas, mas ele possui exemplos de jogo e uma série de dicas para resolução de questões relativas a mecânica. É claro, importante que os jogadores (ou pelo menos um deles) esteja bem familiarizado com as regras para que possa ensinar aos outros. O ideal, no entanto, é que todos leiam as regras e estejam minimamente cientes da mecânica para não haver atrasos que podem amarrar a agilidade do jogo.

Em comparação com outros jogos da Fantasy Flight com a temática centrada nos contos de H.P. Lovecraft, Elder Sign é consideravelmente mais simples, mais direto e rápido. Os preparativos e a explicação para começar o jogo são mais rápidas o que o torna ideal para grupos de iniciantes tanto no universo dos boardgames quanto do Mythos de Cthulhu. Sem dúvida, um jogador que conheça a mitologia lovecraftiana irá aproveitar bem mais a temática e reconhecer alguns elementos abordados. 

Alguns críticos dizem que a mecânica de Elder Sign privilegia demasiadamente o lado de sorte do jogo, resolvendo boa parte dos acontecimentos com base em rolamentos de dados, contudo o jogo permite uma boa parte de tática, deixando nas mãos dos jogadores as decisões sobre quando usar uma vantagem ou quando guardá-la para outro momento do jogo. Pessoalmente eu achei o jogo muito bom e se ele não é tão complexo quanto Arkham Horror, ou tão direcionado para uma estrutura de investigação quanto Mansions of Madness, ele é extremamente divertido (e mais rápido!) 

Com oito inimigos principais (bosses) a serem enfrentados e quarenta e oito opções de Cartas de Aventura, dezesseis personagens para serem interpretados na caixa básica, Elder Sign possui grandes chances de ser jogado muitas vezes antes de repetir um mesmo cenário. Mas não se preocupe, o tema oferece várias opções para expansões e a Fantasy Flight costuma lançar várias delas para aumentar as opções das partidas. 

Elder Sign consegue capturar muito da tensão e atmosfera dos contos de Lovecraft, onde pessoas comuns em franca desvantagem diante do Mythos, se envolvem em um verdadeiro pesadelo no qual para vencer terão de se sacrificar. Em se tratando de um jogo inteligente, Elder Sign oferece uma boa opção para o jogador casual, conseguindo garantir a atenção também de jogadores mais experientes e exigentes.

Aqui tem um vídeo bem legal em que o pessoal do "Jogando Offline" apresenta o Elder Sign e um pouco de suas regras:


E aqui o excelente Trailer (em inglês) do jogo, feito pela Fantasy Flight:


Elder Sign infelizmente não tem uma edição em português, mas através de páginas especializadas em jogos de tabuleiro é possível encontrar traduções muito boas.

O jogo pode ser comprado em lojas especializadas, o preço de caixa é US$ 34,99 (mas pode ser encontrado no Amazon por US$ 27,99). Lembrando que ainda tem o frete e que jogos de tabuleiro correm o risco de serem taxados na alfândega ao chegar no Brasil o que joga o preço para cima.

Achou interessante? Leia também a resenha de outros jogos de tabuleiro:



4 comentários:

  1. /vou comentar aqui tb, pra alimentar o shoggoth do blog, ehehe.

    eua doro esse jogo. comprei no Book Depository (frete gratis)e veio tudo direitinho.
    acho o manual confuso, e tive q recorrer ao FAQ oficial e ao grupo no BoardGameGeek algumas vezes, mas é um jogo facil de entender depois que se pega o jeito. Estou louco pra conseguir a expansão!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela excelente resenha, comprei o meu tem um ano já e pretendo comprar a expansão, o jogo é muito bom e rápido de aprender, é sucesso garantido quando reúno os amigos para uma partidinha contra os Grandes Antigos. Comprei o meu aqui por US$ 22,72: https://www.miniaturemarket.com/catalogsearch/result/?q=elder+sign Geralmente não é tarifado. Tem esse vídeo do Tabletop do Will Wheaton jogando uma partida e mostrando porque não se deve zombar dos Grandes Antigos, rss...

    https://www.youtube.com/watch?v=Jh4nSpV2n4k

    Abraço e até os próximo artigos.

    ResponderExcluir
  3. Amo o Arkham Horror e o Mansions of Madness, mas as partida mais emocionantes são as de Elder Sign, a ultima partida acabou c um só jogador vivo com todos gritando enquanto ele contava os ícones que precisava. Não botava muita fé nele quando ganhei de presente, mas eu estava errada agora quero comprar a expansão.

    ResponderExcluir
  4. já tem edição em português
    , na galápagos!.

    ResponderExcluir