terça-feira, 10 de setembro de 2013

Explorando os Mythos mais Obscuros: Daoloth, o Senhor dos Planos e Dimensões


Daoloth é conhecido como "Dilacerador dos Véus". Não se sabe exatamente quando surgiu esse epíteto, mas ele parece acompanhar a entidade desde que Ela começou a ser venerada e descrita em tomos contendo saber do Mythos

Daoloth é um Deus Exterior de considerável poder e influência, embora seja extremamente obscuro e comparativamente menos conhecido do que Azathoth, Nyarlathotep, Shub-Niggurath e Yog-Sothoth, os quatro deuses exteriores canônicos dos Mythos. Ocupando o posto de Entidade Cósmica, Daoloth rege o conceito do Espaço Interdimensional, governando as passagens, portões e janelas dimensionais e legislando sobre realidades diversas e alternativas. Para alguns, ele próprio é uma espécie de portão dimensional consciente que permite ou lacra dimensões ao seu bel prazer. Para alguns teóricos não há como se deslocar através de planos e dimensões sem recorrer a Daoloth. 

Em virtude dessa sua importante função, Daoloth é venerado em uma miríade de realidades no tecido do tempo-espaço. Há cultos estabelecidos em Yuggoth onde ele disputa junto com a Deusa Shub-Niggurath as atenções dos Fungos de Yuggoth. O Dilacerador também é reverenciado em Tond, onde ele se converteu em um dos principais deuses, igualmente temido e reverenciado pelas estranhas criaturas que habitam esse mundo. Há rumores que os insondáveis Andarilhos Dimensionais sirvam de alguma forma a esse ser, mas esta conjectura jamais foi comprovada e sempre foi controversa, uma vez que essa raça serviçal jamais foi inteiramente compreendida.

Além de conceder a permissão de deslocar matéria através dos planos, Daoloth também domina a complexa ciência da Cronocinese faculdade que lhe permite perceber e manipular as linhas do tempo como se fossem os cursos de um rio. Usando seus poderes, Daoloth é capaz de alterar o fluxo temporal e toda uma linha de tempo e cronologia estabelecida. Através de sua percepção cronocinética ele pode examinar diferentes linhas temporais e operar mudanças no fluxo temporal como bem entender. Isso significa, em essência, dizer que Daoloth é capaz de "ver" todas as probabilidades de um acontecimento como se fosse um espectador consciente das variáveis intrínsecas. É por essa razão que certos cultistas se referem a Ele como "aquele que não pode ser enganado" ou "Aquele que conhece passado e futuro".

Daoloth em um padrão bem organizado
O poder de Daoloth sobre a Cronocinese permite a ele compartilhar uma espécie de visão atemporal com outros seres, permitindo que eles contemplem brevemente o fluxo temporal e suas variáveis. Essa espécie de benção só é estendida aos seus cultistas mais confiáveis que muitas vezes são vistos como videntes. A mente humana se mostrou incapaz de lidar com a percepção atemporal e a maioria dos indivíduos abençoados dessa maneira acabam eventualmente enlouquecendo. Criaturas com um padrão mental puramente analítico, estabelecido por encadeamento de pensamentos, como os Mi-Go, são capazes de suportar essas visões.     

O termo Dilacerador de Véus se refere ao incrível poder de aniquilar uma linha de tempo se nesta surgir alguma anomalia ou singularidade que desagrade a noção de Daoloth de ordem dimensional. Manipulando o fluxo de tempo, Daoloth é capaz de dilacerar totalmente uma dimensão, acentuando as variáveis que levarão a sua conflagração. Uma vez apagada por inteiro, uma dimensão se desfaz e ela é remodelada conforme a vontade da entidade. Parece, entretanto, existir um limite para o poder de Daoloth, ele não é capaz de aniquilar um plano habitado ou protegido por outro Deus Exterior. Também existem rumores que certas dimensões são naturalmente resistentes ao seu poder de aniquilação, as chamadas 25 primeiras dimensões, são imutáveis. Como elas se formaram ou porque sua coesão é perpétua não se sabe.

Daoloth não possui um corpo físico. Quando decide se manifestar, Ele simplesmente atravessa os planos, emergindo através de um ínfimo espaço entre as dimensões como se surgisse do nada. A entidade domina a bio-fissão, faculdade que lhe permite dividir e replicar seu ser em qualquer lugar escolhido. Dessa forma, a essência de Daoloth jamais deixa sua Dimensão nativa, algum ponto dentro das primeiras 25 dimensões.

Imagem do CoC 4ed
Daoloth é descrito como uma massa informe de cores fosforescentes e texturas multi-cromáticas que não podem ser descritas em palavras. Essa forma flutuante é cercada por hastes plásticas e estruturas poliédricas que rodopiam em diferentes velocidades mantendo a massa armazenada em seu interior. Em meio a essa forma indefinida e confusa, estruturas sensoriais (para alguns olhos) parecem surgir e se desfazer a cada momento.

Muito se fala em círculos de ocultistas e de estudiosos da metafísica a respeito das graves consequências de se encarar conscientemente Daoloth. Seus cultistas, cientes desse perigo, tendem a invocá-lo apenas na completa escuridão onde Ele não pode ser visto em toda a sua glória. Alguns chegam ao ponto de vendar ou perfurar os próprios olhos para não serem tomados pela curiosidade. Contemplar a forma de Daoloth equivale a obter um vislumbre da grandiosidade do cosmos e todas suas inconcebíveis variáveis. É o mesmo que captar simultaneamente infinitas dimensões, planos e realidades que se alternam e se revelam em um turbilhão sensorial do qual não se pode escapar. Aqueles que ao longo da história experimentaram esse vislumbre tiveram suas mentes obliteradas pelas revelações em poucos segundos. Magos e feiticeiros de enorme poder conjecturam que vislumbrar atrás dos véus de Daoloth é contemplar os maiores segredos e mistérios do universo, uma experiência que a mente humana não pode suportar.

Há rumores que a lenda do Véu de Isis tenha sido de alguma forma inspirada por esse Deus Exterior e que o ato de espiar por trás do véu da deusa, obtendo assim a iluminação, seja uma clara alusão a experiência de vislumbrar a forma de Daoloth e assim obter os segredos do cosmos.

Achou interessante? Leia também:

Achou interessante? Leia outros artigos da série "Explorando os Mythos mais Obscuros":








2 comentários:

  1. Boa tarde,

    Por gentileza, peço aos moderadores do Blog para entrar em contato via: comunicacao@martinclaret.com.br, gostaríamos de divulgar neste site nosso novo livro de contos de Robert E. Howard, amigo pessoal de H.P. Lovecraft e criador do personagem Conan, O Bárbaro.

    Grato,
    André.

    ResponderExcluir