quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Mares Misteriosos - Sobre Enguias Gigantescas e Serpentes Marinhas


Em 1930, a Expedição Marítima de Investigação, um enorme projeto, ainda mais considerando a época em que teve início, viajou o mundo em busca de descobertas científicas nos mares. Liderada pelo Professor Johannes Schmidt, a expedição se iniciou na Costa da Inglaterra e rodou o mundo atravessando o Atlântico de Norte a Sul, adentrando o Indico e depois seguindo pelo Pacífico até terminar na Costa Oeste dos Estados Unidos, na cidade de San Francisco. A bordo do Dana, a embarcação que funcionava como nau capitânia, a Expedição de Schmidt foi um dos mais ambiciosos projetos de exploração e pesquisa de seu tempo.

Durante os cinco anos em que esteve no mar, a equipe à bordo do Dana registrou incríveis descobertas e conduziu extensivas pesquisas que resultaram em um enorme progresso no que se sabia a respeito do mar e seus muitos mistérios. Apesar do seu pioneirismo, a Expedição Marítima de Investigação concluiu que ainda havia muito que precisava ser compreendido sobre os oceanos. Humildemente Schmidt escreveu em suas memórias: "É provável que jamais venhamos a compreender todos os mistérios ocultos nos mares desse planeta que em nossa tola concepção chamamos de Terra. Se nós compreendêssemos a importância dos mares, teríamos chamado essa esfera azul de Oceano".  

Uma das estórias mais fantásticas apuradas pela Expedição Schmidt ocorreu em 1931, quando ela passava pelo litoral da África do Sul. Durante sua passagem pelo Cabo da Boa Esperança, o ponto mais meridional do Continente africano, o Dana lançou redes para captura de espécimes em alta profundidade. Esse era um procedimento comum que visava estabelecer uma noção de quais animais habitavam aqueles abismos insondáveis. Foi daquela maneira que o Dana já havia descoberto pelo menos 16 espécies até então desconhecidas da vida marinha. A rede podia descer a enormes profundidades, operada por guindastes automatizados, uma das inovações utilizadas pela Expedição.

Quando a rede foi içada até a superfície, ela havia capturado algo notável, até então desconhecido e que permanece até os dias atuais como o único exemplar da lendária Super Enguia. Em virtude da profundida extrema, o animal estava morto ao ser levado para o navio, mas a despeito disso, deixou todos que o analisaram, absolutamente chocados.


 A criatura tinha todas as características de uma enguia no estágio de larva, o que não era em absoluto estranho, contudo suas dimensões eram incríveis. Em geral, larvas de enguia atingem o comprimento máximo de 2 a 4 polegadas, podendo chegar no estágio adulto, com um metro e vinte de comprimento. A larva resgatada pelo Dana tinha nada menos do que 184 centímetros (6 pés)! 

Quando extrapolamos a taxa de crescimento das enguias, calcula-se que uma larva de enguia medindo 6 pés de comprimento, teoricamente, ao chegar ao estágio adulto atingiria algo entre 80 e 100 pés de comprimento (de 24 e 33 metros). Em água doce, as enguias da Europa e da América do Norte, tem uma taxa de crescimento ainda maior, experimentando um aumento de 500 vezes ao longo de seu desenvolvimento de larva para adulto. Em uma estimativa absurda, o adulto dessa espécie poderia atingir colossais 920 metros.

A suposta comparação entre a Super Enguia e outros animais marinhos.
De acordo com um artigo do Evening Post, publicado em 24 de fevereiro de 1934, o espécime encontrado na África do Sul foi preservado e enviado para o Laboratório de Vida Marinha em Copenhaguen, na Dinamarca para a realização de estudos por especialistas em Biologia Marinha.

Os resultados das pesquisas foram surpreendentes: a maioria dos especialistas concordaram que apesar de suas dimensões exageradas, o espécime tinha todas as características de uma enguia em estágio larval semelhante a espécie categorizada como leptocephalus. Concordavam ainda que o animal por se tratar de uma larva, deveria experimentar um crescimento a medida que avançasse para a idade adulta. Que tamanho ele seria capaz de atingir, contudo, era uma questão aberta a questionamento e certo grau de interpretação por parte dos especialistas.

Todos, no entanto, concordavam em um ponto, aquela larva tinha o potencial para se converter em um animal de proporções extraordinárias. Em vista disso, ela foi chamada de Super Enguia.


Nas décadas seguintes, diferentes expedições tentaram obter um segundo espécime de Super Enguia na região do Cabo da Boa Esperança. Nenhuma delas foi bem sucedida!

Apenas em 1959, uma descoberta similar foi feita, dessa vez na Nova Zelândia. Uma Expedição australiana retirou das profundezas um espécime de leptocephalus que media incríveis três pés de comprimento. Uma análise cuidadosa atestou que novamente se tratava de uma larva. O animal recebeu o nome científico de Leptocephalus giganteus, e uma análise comparativa com o espécime sul africano concluiu que se tratava da mesma espécie. 

Uma vez que mais nenhum espécime de Leptocephalus giganteus foi obtido, e compreensivamente existem informações escassas sobre a espécie. Entretanto, a julgar pela taxa de cresciemnto de animais similares, tudo leva a crer que as profundezas são o lar de enguias realmente monstruosas.

Essas larvas de Super Enguias se encaixam perfeitamente na teoria postulada pelo criptozoólogo Bernard Heuvelmans de que animais de grande porte, semelhantes a enguias, seriam a causa dos avistamentos das serpentes marinhas das lendas.


Serpentes Marinhas estão presentes nas narrativas supersticiosas de marinheiros em todo o mundo. No Mediterrâneo e no Oriente Médio, elas aparecem tanto na mitologia, quanto em testemunhos de observadores, como o filósofo grego Aristóteles, que descreve tal animal em seu tratado Historia Animallium. Na Ilíada, um par de serpentes marinhas matam Laocon e seus filhos quando eles se dirigem para Tróia. A Bíblia, no livro do Gênesis, se refere ao Leviatan ou Rahab (palavra que deriva do hebraico Tanakh - "sinuoso") como uma "imensa criatura marinha com corpo de uma serpente gigantesca". O Livro de Amos menciona uma serpente gigante que habita os mares e engole os homens que tentam escapar do castigo divino se lançando ao mar.

Na Mitologia nórdica, Jörmungadr era uma serpente marinha tão grande e longa que podia circundar o mundo inteiro, Midgard. Isso lhe valia o nome "Midgarösormr", a lendária Serpente de Midgard. No folclore da Escandinávia não faltam lendas sobre marinheiros que se deparam com enormes serpentes marinhas que rompem a superfície para destruir embarcações e se alimentar dos marinheiros. 

Em 1028, Santo Olaf, o primeiro Santo da Noruega teria matado uma serpente marinha na costa de Valldal que lhe valeu o título de Santo Matador de Monstros. O mito se confunde com a lenda sueca de Olaus Magnus um santo eclesiástico que escreveu a Carta Marina, um tratado no qual descrevia inúmeros monstros que habitavam os mares, incluindo imensas serpentes marinhas - "crias demoníacas que escapavam dos recessos infernais e habitavam os mares profundos para desespero e horror dos homens".

A idade de ouro das Serpentes Marinhas, entretanto, foi o século XIX, quando os avistamentos de tais seres se multiplicavam, sem dúvida em virtude do grande número de embarcações singrando os mares de todo o mundo, carregando milhares de passageiros. Comparativamente as estórias sobre serpentes marinhas encontravam paralelo nos avistamentos de discos voadores no século XX. Existem inúmeros casos de Serpentes Marinhas que teriam sido avistadas, sendo que alguns casos ganharam enorme repercussão mundo afora.



Um incidente especialmente famoso ocorreu em 1848 quando oficiais e marinheiros do HMS Daedalus que viajavam no Sul do Atlântico avistaram uma criatura medindo pelo menos 18 metros de comprimento, com corpo em forma de serpente e dotada de uma espécie de crina feita de algas semelhante a de cavalos em terra. A descrição foi feita pelo Capitão Peter McQuehe um respeitado comandante britânico que muitos atestaram, jamais inventaria tal estória se de fato não tivesse ocorrido. A descrição causou alvoroço nos jornais de Londres, e Sir Richard Owen, famoso biólogo inglês proclamou que a criatura seria uma enguia gigante. Hoje, muitos consideram a decsriçao como um possível avistamento de uma lula gigante, se é que de fato ele aconteceu.

Outra serpente marinha famosa teria sido avistada na costa da Irlanda em 1850, próxima a cidade portuária de Kilkee. O animal supostamente foi visto repetidas vezes ao longo das décadas seguintes, sendo que, o mais extraordinário avistamento ocorreu em 1871, quando "um imenso e aterrorizante monstro marinho" investiu contra uma embarcação que passou a pouco menos de 20 metros da criatura. Pessoas no porto de Kilkee também teriam testemunhado a horrenda aparição e temido pela vida das pessoas no barco. O incidente, fartamente documentado por jornais em toda a Europa teria servido de inspiração para Jules Verne escrever o capítulo de Vinte mil Leguas Submarinas em que o Náutilos, o submarino do intrépido Capitão Nemo, abalroa uma série de embarcações em sua Guerra declarada contra a superfície. 

Finalmente, notícias a respeito de uma notável serpente marinha se tornaram frequentes na costa do estado da Paraíba, no ano de 1905. A tripulação do Valhalla, um barco de pesquisas que levava naturalistas para uma viagem de volta ao mundo, avistou uma imensa criatura com corpo alongado, equipado por uma barbatana dorsal e cabeça em um formato que sugeria poder se tratar de um grande mamífero marinho. A notícia causou sensação nos jornais locais e nos meses seguintes, muitas tripulações anunciaram ter encontrado o mesmo animal enquanto navegavam pela mesma área. Em 1907, o naturalista Meade-Waldo, atraído pelas estórias afirmou ter visto o mesmo animal durante uma expedição em que ele categorizou a criatura como sendo uma espécie de Enguia Gigante ou tartaruga colossal.


Os avistamentos de Serpentes Marinhas diminuíram de maneira sensível na segunda metade do século XX até se tornarem esparsos e cada vez mais raros das décadas seguintes. Isso, no entanto, não significa que eles desapareceram completamente. Relatos surgem de tempos em tempos incendiando a imaginação daqueles que viajam pelos mares e se perguntam o que pode existir nas profundezas.

*     *     *

Enquanto pesquisava sobre Enguias Gigantes e Serpentes Marinhas, foi impossível não pensar em uma pequena e pouco conhecida estória escrita por H.P. Lovecraft em parceria com Sonia Greene - sua esposa. O título desse pequeno conto é "The Horror of Martins Beach".


Considerado como um de seus contos menos atraentes, a ideia central para "Martins Beach" foi concebida não por Lovecraft mas pela própria Sonia que segundo suas memórias "sentia que escrevendo um conto em parceria com o marido, poderia compartilhar com ele de algo em comum, algo que fosse interessante para ambos". Me parece sinceramente que essa colaboração tinha como propósito aproximar os dois, já que, na época, o matrimônio estava abalado, uma vez que o casal discordava em muitas coisas e não tinha muito em comum...

Embora o conto seja bem simples, eu sempre achei a concepção da criatura muito atraente: um legítimo "monstro marinho" como os que povoavam os jornais e artigos sensacionalistas da época. Lovecraft devia detestar todas essas notícias, Sonia, no entanto, parecia ser atraída por elas. É possível que os dois tenham debatido o teor da estória, é possível que Lovecraft tenha cedido e aberto algumas concessões para auxiliar a esposa no trabalho de escrita. Podemos apenas supor como teria sido essa parceria. Uma vez que ela é praticamente a única colaboração estabelecida entre os dois, podemos supor que, ou o trabalho não foi muito agradável ou Sonia concluiu que uma tentativa era o suficiente para atestar que escrever contos de literatura fantástica não era a sua praia.

Seja como for, "O Horror de Martins Beach" tem lá os seus méritos. Para quem não conhece a trama, aqui vaia  sinopse extraída da wikipedia

"Marinheiros matam uma criatura marinha gigantesca, com mais de 50 pés, em uma verdadeira batalha em alto mar. O monstro, um ser desconhecido pela ciência, possui estranhas irregularidades anatômicas como um único e enorme olho, braços rudimentares e curiosas nadadeiras semelhantes a pés. Após uma inspeção realizada por biólogos marinhos, descobre-se que se trata de um mero filhote. O capitão que matou o monstro revindica sua carcaça e manda empalhá-la para que assim possa expor os restos nas pequenas cidades portuárias da Nova Inglaterra. Meses depois, um grupo de banhistas é atacado nos arredores de Martins Beach, próximo do local onde a criatura foi abatida. Em seguida, um barco de pesca não retorna após sair para o mar e o Capitão se voluntaria para liderar uma equipe de resgate. Os bons samaritanos acabam sendo vítimas de uma criatura gigantesca que os atrai com um canto hipnótico para o alto mar. A criatura, supostamente a mãe vingativa, veio em busca daqueles que mataram seu filhote".

Enquanto lia sobre a larva da Super Enguia encontrada em 1934, foi impossível afastar a suspeita que Lovecraft e Sonia tivessem se inspirado nessa notícia para escrever seu conto. Infelizmente, "The Horror at Martins Beach" é anterior, datado de 1922. Ao que parece, a ideia de criar um monstro marinho que era um mero filhote (ou uma larva) de algo muito maior e terrível foi apenas uma coincidência em relação a descoberta da super enguia mais de uma década depois.

Para quem não leu esse conto, domina o idioma inglês e tem curiosidade de conhecer essa pequena estória, aqui está um audio book com a narração:


   

Um comentário: