segunda-feira, 25 de julho de 2016

TOP 5: As Cinco Magias mais terríveis dos Mythos de Cthulhu


E quando ninguém espera, aqui está mais um infame artigo de TOP 5, trazendo o que há de pior e mais aterrorizante no Universo Lovecraftiano devidamente pesado, medido e colocado em ordem de grandeza e importância.

Hoje temos algo especialmente tenebroso e assustador, algo cuja simples menção é capaz de deixar o mais destemido dos investigadores do Mythos apavorado.

Estamos falando de Magia Negra, Feitiçaria, Bruxaria, Malefício, das artes obscuras e ciências proibidas.

O Universo do Mythos de Cthulhu contempla uma enorme variedade de medonhos feitiços dominados por cultistas degenerados e cruéis feiticeiros. Alguns obtiveram essas magias por intermédio de tomos ancestrais, transbordando com sabedoria arcana inominável, outros aprenderam segredos milenares com mentores severos que lhes passaram um conhecimento quase esquecido, outros ainda, comungaram com entidades inumanas e criaturas obscuras que lhes instruíram na mais Negra das artes.

Aqui estão as cinco mais terríveis magias do Mythos:

Quinta Posição:

 Promessa Indizível (Unspeakable Promise)



"Roger sempre temeu que esse dia chegasse! Em seu íntimo ele sempre soube que Hastur viria cobrar a sua promessa solene.

Mas fazia tanto tempo que ele havia prometido seu corpo e alma ao Senhor de Carcosa, e tolamente chegou a pensar que de alguma forma estaria livre do acordo... Mas ele estava errado! E quando aquela derradeira noite chegou, a carne de Roger Acroft se rebelou. Seu corpo derreteu e fundiu-se em uma nova forma, seus ossos se partiram, em suas costas surgiram asas membranosas, de sua face brotou uma cascata de tentáculos. 

No fim da dolorosa transformação ele não era mais Roger Acroft,  não era sequer humano. Ele era um instrumento de Hastur e dali em diante cumpriria sua parte na barganha." 

*     *     *

Magia Negra e Feitiçaria em Chamado de Cthulhu são ferramentas para realizar e obter coisas normalmente inatingíveis. Feiticeiros são capazes de burlar as leis da natureza e conseguir recompensas inacreditáveis. Mas é claro, existem aqueles que querem mais, que transformam sua obstinação em obsessão e fazem o que estiver ao seu alcance para atingir seus objetivos.

Promessa Indizível é uma espécie de Pacto Diabólico. Ele é firmado entre um feiticeiro e Aquele que não deve ser nomeado. Através dessa pérfida barganha, o feiticeiro obtém algo que deseja e que não poderia conseguir exceto pela intercessão de Hastur. Conhecimento blasfemo, saber profano, rituais esquecidos, poder sem limite, vida eterna... seja lá o que ele pleiteia é providenciado de uma forma ou de outra. Por um momento, a barganha parece incrivelmente vantajosa, afinal, não há nenhum custo imediato. 

Mas como sempre, existe uma contra-partida.

A cada ano que passa, sempre na data em que o pacto foi firmado, Hastur pode vir até seu pactuante e exigir sua parte do acordo: a Promessa Indizível.

Através desse contrato solene, Hastur pode reclamar o corpo e a alma do pactuante, transformando-o em uma de suas criaturas, que para sempre irá servi-lo, atendendo suas ordens e caprichos. A monstruosa transformação arranca do pactuante qualquer resquício de humanidade: seu corpo é transfigurado dolorosamente, destruído em sua essência e então reconfigurado na forma de algo que atende ao senso estético e às necessidades do Senhor de Carcosa. A transformação é profunda e irreversível, resultando no surgimento de um horror inenarrável, que um dia foi um ser humano.

Quarta Posição:

Transferência de Mentes (Mind Transfer)


"Os olhos da bruxa a encaravam sem parar. No início Lydia tentou resistir, mas havia algo de estranhamente magnético naquele olhar maligno. Ela não conseguia desviar os olhos e deixar de encará-la. 

De repente, a bruxa arreganhou os lábios em um sorriso dantesco e recitou algumas palavras sem sentido. E no instante seguinte... horror! Lydia não estava mais amarrada naquela mesa, ou estava? Era uma situação tão surreal que ela não conseguia entender. Ela podia ver a si mesma ali, presa. Era como se tivesse saído de seu próprio corpo por um instante e estivesse vendo a cena de uma outra perspectiva. Ela estava de pé, no exato local onde estava a feiticeira... e só então, ela compreendeu. E seus joelhos fracos, condizentes com os de uma anciã, não suportaram o peso da revelação e ela desmaiou. 

A última coisa que ouviu antes de perder os sentidos foi uma gargalhada que vinha de sua própria garganta!

*     *     *

Transferir mentes é uma daquelas magias cruéis, usadas apenas pelos piores e mais malignos bruxos e feiticeiros que dominam as artes negras.

Através desse feitiço a mente do realizador é forçada a ocupar o corpo de outra pessoa, enquanto a consciência dessa vítima é catapultada para dentro de seu corpo. A magia funciona imediatamente ,bastando uma troca de olhares e, em seguida, recitando algumas palavras mágicas. Num passe de mágica, a pobre vítima acorda no corpo de outra pessoa, enquanto o seu próprio corpo é roubado pelo inescrupuloso feiticeiro.

Essa é uma das magias mais assustadoras em suas implicações.

Ela representa o supremo roubo de identidade, uma das formas mais pérfidas de adquirir saúde e juventude, ao mesmo tempo que condena um pobre diabo a uma existência em um corpo que não é seu, geralmente fraco e doente. Especialmente tenebrosa se lançada por uma bruxa medonha ou por um feiticeiro à beira da morte, esse feitiço não raras vezes resulta em loucura e morte.

Terceira Posição:

Devorar Aparência (Consume Likeness)


"Mandy não era capaz de explicar, mas ela sabia que aquele não era seu noivo. A aparência era de Peter, mas havia algo muito estranho nele. Algo que ela não conseguia exprimir em simples palavras. Os olhos, a expressão facial, o corpo... tudo estava correto. Ela o conhecia bem, conhecia cada detalhe dele. Como explicar aquilo?


Certa noite, Mandy resolveu visitar o noivo. Ela usou sua chave para entrar pelos fundos, já que Peter não estava.

Mandy não resistiu e começou a vasculhar a casa, buscava qualquer coisa que afastasse suas suspeitas e que provasse que sua desconfiança era infundada. Na cozinha encontrou algo estranho, uma pequena poça de sangue que havia escorrido do interior da geladeira. Ao abrir o compartimento, deparou-se com vários sacos plásticos e embalagens contendo tenros pedaços de carne fresca. Mas seu noivo não era vegetariano?

A mente de Mandy buscava explicações, mas quando conseguiu focar sua atenção em um embrulho no fundo da geladeira tudo ficou ainda mais estranho. A embalagem contendo fatias vermelhas estava bem embalada e com uma etiqueta onde alguém havia escrito: "Peter Green". Havia outros nomes também: de amigos, de conhecidos e de outras pessoas de quem ela jamais havia ouvido falar. Todos eles escritos na mesma caligrafia em etiquetas identificando cada embalagem com um nome.

Nesse momento, a porta da frente se abriu e Peter entrou assoviando.

*     *     *

Devorar Semelhança é uma magia criada pelo atávico Povo Serpente. Esta raça milenar de criaturas meio homem-meio réptil, segundo a mitologia ancestral, viveu há milhões de anos e construiu um poderoso Império que governou boa parte do mundo conhecido. Seus membros detinham um profundo conhecimento, tanto de magia, quanto de ciência. Em algum momento de sua história, o Império entrou em decadência e o Povo Serpente foi forçado a se esconder das hordas de humanos que os detestavam e que proliferaram em grande número.

Eventualmente, os últimos membros do Povo Serpente tiveram de se refugiar em esconderijos ocultos. Uma vez que vagar entre os homens era extremamente perigoso. Eles desenvolveram um disfarce perfeito que lhes permitia andar entre os humanos sem chamar a atenção. Apesar dos homens serpente terem dominado com maestria esse feitiço em especial, ele acabou sendo descoberto e copiado em tomos esotéricos com o macabro nome "Devorar Semelhança".

O feitiço permite que o utilizador assuma a forma perfeita de outra pessoa. Até aí, nada de mais. Contudo, não é a magia em si que torna "Devorar Semelhança" assustadora, e sim como ela precisa ser  realizada.

A magia exige que o feiticeiro mate a pessoa que deseja personificar através de um elaborado ritual no qual a garganta é cortada. Não bastasse o horror do assassinato ritualístico; para concluir o feitiço e assumir a aparência do indivíduo, torna-se necessário consumir porções de sua carne. Feiticeiros que promovem esse ritual costumam desmembrar e preservar (seja salgando ou mais recentemente congelando) bocados da carne de suas vítimas para que a magia possa ser usada repetidas vezes. Para completar o horror, alguns compêndios de magia negra constam com sugestões de como preservar, dispor e até mesmo preparar repastos de carne humana. 

Um último detalhe que torna essa magia ainda mais bizarra é que a despeito da transformação física, a sombra do feiticeiro não acompanha a mudança. Ou seja, se uma luz forte incidir sobre alguém usando essa magia, a sombra original poderá ser vista.

Segunda Posição:

Roubar Vida (Steal Life)



"O que você quer?" perguntou o mendigo apavorado. 

"Você tem algo que eu necessito" respondeu o ancião com enorme determinação. Sua voz não vacilava ou fraquejava. Seus passos eram decididos e encurtavam a distância entre eles.

"Eu não tenho nada! Juro... o que você pode querer de mim". perguntou o sujeito cada vez mais aterrorizado.

"Sua juventude" disse o velho e nesse exato momento seus olhos faiscaram com um brilho azulado.


*     *     *

A vida eterna é uma das buscas mais antigas da humanidade. O desejo de perpetuar a existência indefinidamente é um sonho acalentado desde o início dos tempos. Juventude, saúde, beleza e vigor são atributos almejados por todos, mas apenas os mais cruéis feiticeiros aprendem um feitiço que permite extrair esses elementos de outras pessoas.

Roubar Vida é uma magia especialmente perversa descrita em tomos muito poderosos como o Necronomicom. Ela está ligada a entidades devotadas a entropia como Tulzcha, Hastur e Abhoth. Através dela, o utilizador experimenta um rejuvenescimento gradual a medida que a força vital de outra pessoa é drenada e transferida para seu corpo. Isso significa dizer que ao mesmo tempo que o mago parece remoçar, sua vítima envelhece, seca e ganha um aspecto velho e doente.

É especialmente desconcertante ver uma pessoa rejuvenescendo, quase uma traição das leis da natureza, mas é ainda pior assistir um indivíduo, no auge de sua juventude, ganhar idade e ficar alquebrado pelos efeitos danosos desse malefício. O processo concede ao feiticeiro um suprimento de vigor que o deixa "reabastecido" por semanas, já da vítima, não havendo interrupção, tudo que resta será uma casca vazia e seca prestes a se desfazer em poeira como uma múmia ancestral. 

O horror de sofrer esse tormento não pode ser descrito, aqueles que passam pela experiência e sobrevivem simplesmente enlouquecem ou se tornam tão traumatizados que sequer conseguem lidar com sua nova condição.

Primeira Posição:

Magia da Morte (Death Spell)


Harold gritou em desespero! Algo estava muito errado, mas ele não conseguia entender o que estava acontecendo. As palavras daquele velho charlatão não poderiam afetá-lo de tal maneira... ou poderiam?

Foi então que ele sentiu o calor que vinha de dentro de seu próprio corpo. Incrédulo, ele sentiu como se centenas de pontas de cigarro estivessem tocando sua pele ao mesmo tempo. A dor lancinante fez com que ele se jogasse no chão tentando apagar chamas imaginárias, mas não havia como conter a onda devastadora de calor que vinha de dentro. Os cabelos se incendiaram, as roupas foram consumidas imediatamente pelo fulgor, o fedor de carne queimada se espalhou com uma fumaça escura. Bolhas causticantes brotaram na sua carne, derretendo sua pele e as camadas adiposas como se ele fosse uma vela de cera. O sangue em suas veias fervia e o líquido de seu corpo sublimava. Tecidos e músculos arderam em queimaduras medonhas de terceiro grau. Harold gritou quando sua carne se desprendeu dos ossos e estes surgiram envoltos por chamas ferozes de um laranja vivo. Por fim, os ossos também se despedaçaram, partindo-se em pedaços calcinados diante da temperatura abrasadora. Eles se dispersaram em uma explosão de poeira escura.

E então, não restou nada a não ser uma silhueta enegrecida no chão, retorcida pela extrema agonia de seus momentos finais.

*     *     *

Essa na minha opinião vai para o trono como a magia mais terrível dos Mythos!

Através desse feitiço tenebroso, o utilizador literalmente destrói uma pessoa fazendo com que uma onda de calor irrefreável cause uma conflagração completa em seu organismo. O efeito se assemelha a ser atirado em um rio de lava ou ter o corpo imerso por compostos químicos cáusticos, mas com um importante diferencial: as chamas vem de dentro para fora. Alguns teóricos dos mythos acreditam que essa magia envolve um acordo com Cthugha, chamado de a Chama Viva. O corpo da vítima é aquecido a uma temperatura que incêndio algum poderia equiparar e durante todo o processo, por alguma razão que não pode ser explicada, a vítima mantém sua consciência até o fim.      

Alguns podem argumentar que a morte ao menos é rápida, mas pense na extrema agonia de ser cremado de dentro para fora. Nesse ínterim, cada segundo equivale a um tormento interminável. Por fim, nada resta da vítima, ela literalmente deixa de existir em uma explosão de ossos enegrecidos que se desfazem como poeira.

Não por acaso, a lendária Magia da Morte é o feitiço que demanda o maior custo de sanidade daqueles que invoca seu efeito dantesco. Não raramente os que presenciam essa conflagração adquirem um pavor profundo ou um fascínio indescritível pelo fogo sendo extremamente difícil não ser afetado por esse feitiço. Quanto à vítima, nada pode salvá-la de sua obliteração, a chama voraz não pode ser dispersada depois que tem início e seu destino será queimar até não restar nada. 

Outro detalhe adicional a respeito dessa magia é que após a destruição não resta nada. Nem mesmo no campo espiritual! Não há como trazer o sujeito de volta via Ressurreição, não há como se comunicar com seu fantasma, não existe forma de contato espiritual. Nada! É como se o fogo queimasse não apenas o corpo, mas a própria alma da vítima. De fato, existem boatos que a Magia da Morte tem esse agravante: obliterar com o tempo até mesmo a lembrança de que a pessoa existiu. Com o passar do tempo, a memória do indivíduo é apagada e em pouco tempo ninguém mais consegue se recordar de quem ele foi ou detalhes sobre sua existência. 

E finalmente, eu gosto desse GIF do filme Exterminador do Futuro II que na minha opinião mostra exatamente o que acontece no estágio final da Death Spell:


Então? Concordam com a lista? Discordam? Acham que faltou algo?

Fiquem à vontade para comentar e dar sua opinião. 

5 comentários:

  1. Eu não conhecia estas. Muito bem pesquisado Luciano.

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de saber de qual conto/livro vem cada magia. Não as reconheci e estou procurando aumentar meu acervo de Mythos. Obrigado

    ResponderExcluir
  3. A Transferência de Mentes ocorre no conto "A coisa na soleira da porta".

    ResponderExcluir
  4. A Promessa Indizível está no conto "A volta de Hastur", escrito por August W Derleth. As outras magias não faço a menor ideia.

    ResponderExcluir