segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Transmissões Misteriosas - UVB-76 a rádio mais misteriosa do mundo


O estranho som foi ouvido pela última vez em 24 de janeiro de 2013.

Uma legião de fãs e entusiastas de rádio amador conseguiram ajustar seus aparelhos e captar a transmissão. Quando os ruídos começaram a ser ouvidos eles sabiam que algo grande estava para acontecer. De repente, entre o som de um alarme ou sirene uma voz monocórdia foi ouvida:  

"OBYaVLENIYA KOMANDA 135"

Mais uma vez, ao longo de seus quase quarenta anos de existência, o misterioso sinal de rádio estava emitindo algo além do som de sirene. A UVB-76, uma suposta rádio dos tempos da União Soviética, havia lançado uma ordem: 

"Iniciando o Comando 135"

O sinal de rádio que ocupa a frequência 4625 kHz está ativamente transmitindo desde meados de 1970. A transmissão gravada mais antiga data de 1982. Desde então, operadores de rádios de ondas curtas que descobriram o sinal, tem visitado a frequência para ouvir o som de sirene na expectativa de captar alguma de suas raras interrupções. De tempos em tempos, geralmente após anos de silêncio, o ruído para e uma voz em russo repete uma série de nomes e números sem aparente sentido.

Uma típica mensagem foi transmitida nas primeiras horas do Natal de 1997:

"Ya UVB-76, Ya UVB-76. 180 08 BROMAL 74 27 99 14. Boris, Roman, Olga, Mikhail, Anna, Larisa. 7 4 2 7 9 9 1 4"

Ao invés de ser desligada com a queda do comunismo, a UVB-76 se tornou ainda mais ativa. Como se alguém estivesse desesperadamente tentando manter suas ordens. Desde a virada do milênio, enigmáticas mensagens de voz se tornaram cada vez mais frequentes. Mas o que justificaria o uso continuado dessa transmissão? Um serviço arcaico e extremamente caro, que já foi abandonado pela maioria das nações.


É fácil desconsiderar os sinais como gravações em um looping permanente. Mas os ouvintes mais atentos perceberam que a UVB-76 não repete suas mensagens. As mensagens parecem ser geradas manualmente. Os sons de microfonia, ecos e batidas parecem ser produzidos por uma pessoa lendo as mensagens próximo demais de um microfone, dando a impressão fantasmagórica de que o locutor, seja ele quem for, está transmitindo do fundo de uma caverna. A voz é monocórdia, quase destituída de emoção, mas há sem dúvida uma variação em seu tom, algo que evidencia não se tratar de uma gravação recorrente. Para todos os efeitos, trata-se de uma pessoa. Mas quem é e onde ela estaria? Mais importante, por que ele estaria realizando essas transmissões e qual o seu significado? 

Algumas pessoas supõem que a UVB-76 poderia ser uma estação perdida em algum lugar inóspito, numa ilha ou no coração de algum deserto isolado de onde seus ocupantes continuariam cumprindo a mesma missão. De tempos em tempos, eles transmitiriam algum sinal codificado cujo propósito se perdeu há anos. Seriam fiéis agentes comunistas que ignoram o fim do Império Soviético? Ou eles ainda estariam ativos, fazendo contato com operadores ocultos agindo nas sombras? 

A moderna popularização da UVB-76 pode ser medida através da quantidade de mensagens e rumores em fóruns de discussão devotadas a temas como atividade paranormal, conspirações e mistérios inexplicáveis. O tema, UVB-76 fascina os investigadores enigmas modernos e faz com que uma legião de pessoas busque explicações para um mistério que perdura há décadas.

Discussões online a respeito do sinal de rádio aumentaram muito em 2010, quando transmissões bizarras foram feitas quase que mensalmente, algo até então sem precedente. Trechos do Lago dos Cisnes foram executados, uma voz feminina surgiu repentinamente contando de nove a zero, um sinal de interrogação foi transmitido em código morse e estranhas conversas telefônicas puderam ser ouvidas no fundo. A rádios estava mais ativa do que nunca, e cada pequeno trecho atraía a atenção e inflamava a curiosidade dos ouvintes.

Então, em outubro de 2010, a estação mudou sua localização no espectro de frequência. A atividade das transmissões e mensagens de voz aumentou e pareciam ter recebido um novo ânimo, nunca antes visto. Algo estava acontecendo na estação, como se a mudança para a nova designação MDZhB, simbolizasse a necessidade de transmissões frequentes - estariam avisando seus ouvintes da mudança realizada? Alguns acreditam que essas transmissões cifradas eram protocolos para assegurar aos ouvintes que eles continuavam sendo a mesma estação, um procedimento usado por espiões na época da Guerra Fria para provar sua autenticidade.


Triangulações feitas por especialistas em ondas curtas, determinaram que a UVB-76 teria se estabelecido nos arredores de Povaroco, uma pequena cidade a 44 quilômetros de Moscou. Logo falaram a respeito da existência de uma antiga Base da Aeronáutica que remontava a URSS, construída nas proximidades.

Dois grupos de exploradores urbanos e seguidores da UVB-76 viajaram para Povaroco em uma tentativa de visitar a base e encontrar a fonte das transmissões. Encontraram a Base aérea completamente abandonada: enormes hangares e depósitos repousavam na escuridão, esqueletos de bombardeiros enferrujavam na pista de pouso e decolagem, alojamentos desertos com janelas quebradas eram tudo o que restava. Havia sinais de incêndio e explosão em alguns lugares.

Enquanto investigavam as instalações, o grupo foi interpelado por um morador da região que lhes contou a respeito de um estranho incidente ocorrido em 2010. Certa noite, uma densa neblina seguida de uma tempestade desceu sobre o posto militar e este foi evacuado às pressas. O homem não soube explicar o que aconteceu, disse apenas que todos os soldados foram retirados das instalações em menos de noventa minutos. A movimentação de caminhões e veículos militares foi frenética. Explosões foram ouvidas à distância nas fazendas vizinhas, como se alguém estivesse detonando cargas de termite e granadas.   

O homem contou que os civis que moravam nos arredores também foram evacuados às pressas. Veículos militares chegaram na madrugada e ordenaram que as famílias residentes entrassem nos caminhões sem fazer perguntas. Eles seguiram para um acampamento improvisado cercado de arame farpado e tiveram de ficar lá por duas semanas. Ninguém explicou o que estava acontecendo e qual era a razão daquele transporte misterioso. Algumas pessoas contaram que os militares realizaram exames físicos nos dias seguintes, exames que incluíram até avaliação de possível contaminação radioativa.  


O morador que preferiu não se identificar, contou que nenhuma autoridade militar deu qualquer satisfação a respeito do ocorrido. Quando os civis foram enfim liberados e puderam retornar às suas casas, encontraram várias delas reviradas. Quanto a base, ninguém mais retornou. Rumores a respeito de vazamento radioativo ou de substâncias biológicas se espalharam, mas ninguém jamais soube ao certo. Os moradores mais temerosos preferiram deixar suas propriedades temendo que algo nocivo pudesse ter sido liberado no ar. Por fim, a testemunha revelou que havia outra instalação militar próxima que também havia sido abandonada mais recentemente. 

O grupo seguiu para o lugar e conseguindo evitar a presença de patrulhas com cães de guarda se aproximaram da instalação. Encontraram prédios militares montados em concreto armado em estado de abandono, equipamento antiquado e o que parecia ser um túnel que levava para um bunker subterrâneo. O único acesso a esse bunker estava bloqueado, alagado por água gelada. Alguns dos membros da expedição chegaram a mergulhar em busca de um corredor, mas não conseguiram achar nenhuma entrada e temeram se afogar na escuridão.

Entretanto, a visita não foi inteiramente uma frustração. Um caderno de anotações foi encontrado em um dos prédios abandonados: uma velha estação de radio-transmissão. Ele continha uma série de mensagens cifradas, nada menos do que sinais enviados pela UVB-76. O sinal etéreo que havia fascinado o mundo por anos finalmente tinha uma evidência física, além da confirmação de que ele se originava de uma Instalação Militar Russa (não apenas isso, uma base dos tempos da União Soviética).

O grupo conseguiu deixar as Instalações, mas tentativas posteriores de invadir o lugar resultaram em captura, apreensão e processos. As forças armadas reforçaram a segurança e o número de soldados que patrulham as bases desativadas. Ninguém mais pode se aproximar delas sem a devida autorização e escolta militar. 

O mistério continua até hoje. Vozes esporádicas quebram o som do alarme. Ouvintes continuam sintonizando o sinal, ouvindo os ruídos e aguardando qualquer sinal de vida. É possível baixar no link a seguir a faixa que permite ouvir a UVB-76 no iTunes.


Além do enorme interesse em estudar e compreender a transmissão da UVB-76, várias outras triangulações foram realizadas o que levou a uma nova e surpreendente descoberta. Diferente do que acontecia antes, o sinal da UVB-76 agora está sendo retransmitido por múltiplas estações em uma tentativa clara de ocultar sua origem. Ainda assim, especialistas na análise de transmissões de rádio determinaram que há três possíveis localizações de origem:

- A pequena vila de Kirsino que tem uma população de 39 habitantes. 

- Uma pequena cidade chamada Pskov Oblast, na fronteira com a Estonia.

- Um vilarejo chamado Odorinka na Sibéria.

Os três lugares tem em comum o fato de serem extremamente isolados e próximos de bases militares em atividade.

Uma nova teoria tem sido motivo de muita discussão e debate entre os seguidores da UVB-76. O sinal poderia ter relação com o Governo Russo, sendo emitido pelo canal estatal Voz da Russia. Um dos lugares que apareceram na triangulação é bem próximo de um sistema de antes de transmissão no sudoeste de Kolpino, usado pelo governo para transmitir o sinal da rádio oficial do governo. Alguns chamaram a atenção para o fato de que a única música executada pela UVB-76, a Dança do Pequeno Cisne, um trecho do Lago dos Cisnes é a vinheta de abertura das operações da Voz da Rússia. 


Enquanto os seguidores tentam determinar o que é verdade e o que é mentira, o propósito da UVB-76 continua gerando controvérsia. Como na maioria dos mistérios, teorias conspiratórias abundam, algumas com mais ou menos credibilidade fala-se de sinais em loop realizados por estações mandando mensagens cifradas, fala-se de uma estação operacional de agentes abandonados e até de um sinal destinado a se comunicar com civilizações no espaço. Alguns comentam que a transmissão seria um tipo de código usado para atravessar dimensões e estabelecer contato com outras realidades e exploradores que lá se perderam. Uma outra teoria, afirma que a UVB-72 é uma Estação Fantasma, e insiste que ela estabeleceu contato com o mundo espiritual. 

A coisa mais próxima de uma explicação oficial a respeito do propósito da transmissão veio de um trabalho acadêmico publicado pelo Observatório Geofísico de Borok. Esta organização financiada pelo governo russo que descreve a si mesma como "uma instituição federal científica" explica que o sinal se origina de um observatório usando a frequência 4625 kHz que mede as mudanças na ionosfera. 

Isso não explica a existência do bunker militar e das mensagens de voz. A monografia também não detalha se a pesquisa ainda está ativa ou seus resultados. Para especialistas, um sinal na frequência 4625 kHz poderia registrar alterações quando usado para medir a ionosfera, e que não seria o melhor método para efetuar tais leituras.

Uma das teorias favoritas dos teóricos da conspiração a respeito da UVB-76 supõe que as transmissões seriam a versão soviética da "Alavanca da morte" (ou Gatilho do Homem Morto). Através desse macabro mecanismo, no caso de um ataque nuclear surpresa que destruísse o Comando Militar russo, um sistema automático seria responsável por implementar um contra-ataque contra o oponente. Mesmo que a Rússia não tenha um sistema semelhante, é divertido imaginar que um humilde zumbido transmitido por ondas curtas são a única coisa que impede uma resposta nuclear e o apocalipse.   

A explicação mais aceitável para o propósito da UVB-76 é que se trata de um sistema de comunicação militar operando na Rússia Ocidental. As mensagens codificadas são anúncios aos vários distritos militares, com ordens simples que envolvem deslocamento de unidades e alocação de recursos. Os ruídos nesse caso seriam marcas de reconhecimento para desencorajar outras pessoas de utilizar a mesma frequência.

Uma imagem postada na Wikipedia Russa parece confirmar a teoria da comunicação militar. Uma fotografia de uma estação de rádio militar russa mostra uma série de estações de transmissão entre as quais uma com o código UVB-76. Já que ela figura dessa maneira tão clara, parece aceitável que não se trata de algo secreto, muito menos uma "Alavanca da Morte".


Há décadas, a internet está ouvindo a comunicação da UVB-76, imaginando o que pode ser e se alguém além dos curiosos estão escutando. Mesmo que o mistério da transmissão fantasma um dia seja esclarecido, e se prove que não é nada sinistro ou conspiratório, com certeza muitos continuarão defendendo que há algo mais oculto. Milhares de pessoas mundo afora ainda sintonizam na frequência, esperando ansiosamente captar alguma voz ou mensagem.

Para estes, o que vale é ouvir pacientemente.

Acreditando ou não nas teorias, não há como negar o arrepio que surge quando ouvimos uma das mensagens distorcidas da UVB-76.

Quer ouvir com o que parece a UVB-76? Então assista os vídeos:


E aqui algumas gravações que surgiam durante a transmissão, as imagens são da Base Russa em Povaroco.

3 comentários:

  1. Tomei conhecimento ontem sobre essa radio, comecei a ouvir ontem pelo trabalho, hoje por volta as 14h20 14h24, não sei explicar se foi interferencia por conta da internet, paranoia ou coisa do tipo, mais juro que ouvi alguem mencionar uma palavra dentre esse horario.

    ResponderExcluir
  2. comante da forca estrategica de misseis russos Sergei Karakaiev, ja confirmou em entrevista a um jornal estatal russo em 2011, que um sistema de misseis semelhante ao "mão morta" realmente exite

    ResponderExcluir
  3. Meu pai trabalha com telecomunicações. Perguntei a ele sobre essa rádio e ele riu. Disse que não passa de um sinal de teste pra calibrar e fazer a manutenção de equipamentos de telecomunicações (ele mesmo já usou isso). Como a rádio está num território militar, então provavelmente os sinais são pra equipamentos militares em sua maioria (podem auxiliar os não militares também de vez em quando). Quanto aos códigos, parece que são apenas códigos de manutenção que algum técnico precisou pra calibrar outro equipamento pelo leste europeu. Infelizmente os caras são descuidados o suficiente pra deixar escapar diálogos rotineiros às vezes pelos microfones. Parece que há outras rádios dessas pelo mundo, mas como a UVB-76 está nos confins da Rússia, se torna palco de teorias conspiratórias mais facilmente. Não tem nada demais, são só sinais teste mesmo e se for parar pra pensar, tem lógica!

    ResponderExcluir