quarta-feira, 2 de novembro de 2016

O Enigma de Hoer Verde - A Cidade que desapareceu ou que jamais existiu



Alguém já ouviu falar de um lugar chamado Hoer Verde?

Esses tempos eu estava fazendo uma pesquisa a respeito de estranhos desaparecimentos e o nome "Hoer Verde" pipocou em vários artigos publicados em páginas estrangeiras. Figurando ao lado de matérias sobre mistérios inexplicáveis como Anjikuni, do veleiro Marie Celeste, do Farol das Ilhas Flannan e até mesmo da Colônia de Roanoke, o "Enigma de Hoer Verde" - como ele era tratado em um dos artigos, é realmente assustador e deixou os blogueiros gringos de cabelo em pé.

Mais surpreendente é o fato dele supostamente ter ocorrido no Brasil durante a década de 1920.

A História resumida é mais ou menos assim:

Em 5 de fevereiro de 1923, um grupo de visitantes, todos membros de uma mesma família, viajaram para Hoer Verde, uma cidadezinha no Brasil Central - supostamente no interior do Estado de Goiás ou Mato Grosso. Hoer Verde segundo as descrições, era um lugarejo isolado, com uma população de aproximadamente 600 habitantes que viviam da agricultura. 

A família estava indo visitar um parente que havia casado alguns meses antes e se estabelecido na cidade. O plano deles era fazer uma visita de mais ou menos um mês e avaliar a proposta de abertura de uma loja de comércio no local. Contudo, quando chegaram, ficaram impressionados ao descobrir que não havia viva alma nas ruas. As casas e o pequeno comércio haviam sido aparentemente abandonados às pressas, com objetos pessoais, roupa e comida deixados para trás. Vagaram pelo lugar incomodados pelo silêncio sepulcral e pela sensação de que algo havia acontecido, não apenas com seus entes queridos, mas com toda população residente.

Finalmente encontraram a casa de seu parente que ficava nos arredores da praça da matriz. A porta e as janelas estavam abertas, mas não havia ninguém à vista. Na mesa da cozinha os pratos estavam postos e a comida apodrecia dentro deles. Tudo indicava que seus ocupantes haviam partido apressadamente, talvez em meio a uma refeição. Havia até uma cadeira caída no chão.


A família deixou o lugar às pressas, incomodada demais para permanecer naquele lugar deserto. Contataram as autoridades de um município vizinho e estas imediatamente seguiram para investigar o que havia acontecido. Um grupo de voluntários e curiosos acompanharam o delegado e todos constataram que os moradores de Hoer Verde haviam desaparecido sem deixar pista. Não havia indícios de violência, mas parecia claro que todos haviam partido com tanta pressa que sequer tiveram tempo de arrumar suas malas e carregar seus pertences. Dinheiro, objetos pessoais e até animais domésticos foram abandonados. As portas estavam abertas como se eles não se importassem em proteger seus bens.

Em uma casa, supostamente pertencente ao prefeito - ou a um professor, segundo uma versão, o grupo encontrou uma arma de fogo que havia sido disparada recentemente. O revólver estava caído no chão da sala com quatro dos seis projéteis deflagrados. Curiosamente não havia marcas de tiros em lugar nenhum. 

Ao sair dessa casa, encontraram uma estranha mensagem escrita com um pedaço de carvão em um muro caiado. A frase era enigmática e assustadora em suas implicações: "Não há salvação" havia sido escrito ali para todos verem. Mais estranho ainda, parte da Igreja local havia sido destruída no que parecia ser um incêndio criminoso. O lugar, no entanto, não queimou por inteiro restando a maior parte da capela intocada pelas chamas. Lá encontraram imagens sacras despedaçadas e o altar revirado de tal maneira que os membros do grupo chegaram a cogitar a possibilidade de ter havido algum tipo de sacrilégio. Incomodados pela aura de estranheza do lugar, o grupo resolveu abandonar a cidadezinha. Contaram o que aconteceu e as pessoas passaram a evitar o lugar acreditando que algo maligno, talvez até diabólico tivesse causado o desaparecimento em massa. Gradualmente Hoer Verde foi sendo esquecida, até ser engolida pela natureza e desaparecer como se jamais tivesse existido.

Ninguém jamais teria chegado a uma conclusão sobre o que aconteceu. As pessoas desaparecidas nunca teriam sido encontradas vivas ou mortas. Homens, mulheres e crianças, jovens e velhos, todos 600 habitantes sumiram e ninguém conseguiu determinar seu paradeiro. Um mistério inquietante e singular.

Eu confesso que nunca ouvi falar desse incidente. 

Entretanto ele é tratado com uma ocorrência verídica em vários blogs e grupos que se dedicam a apresentar incidentes considerados inexplicáveis. Teorias sobre o que aconteceu em Hoer Verde e qual o destino final de seus habitantes variam entre a noção plausível de que eles foram obrigados a evacuar suas casas até teorias muitíssimo mais estranhas. Alguns afirmam que a população teria sido coagida por "guerrilheiros" ou "bandidos" que pretendiam usar a cidade. Mas se isso é verdade onde estariam essas pessoas e por que teriam deixado objetos de valor para trás? Além disso, essa teoria de "guerrilheiros" parece se encaixar na visão de estrangeiros que pensam que o Brasil não passa de uma República das Bananas assolada por guerrilhas e revolucionários. O que, como sabemos, é um baita exagero.


As teorias mais esotéricas (e mais divertidas) mencionam o contato com discos voadores, abdução por raças de criaturas dimensionais, experiências com outras realidades e um surto de loucura coletiva. Em todas essas teorias, a população teria sido vítima de algo terrível e devastador. Algo ao mesmo tempo insidioso por não deixar rastros e eficiente em se livrar de todas testemunhas. Há comentários sobre fortes luzes coloridas e sons inexplicáveis vistos e ouvidos nas cidades vizinhas algumas semanas antes do desaparecimento ter sido comunicado. Mas é claro, não existe forma de corroborar essas narrativas. Tudo é especulação e suposição.

Francamente, parece muito pouco provável que um acontecimento dessas proporções, envolvendo o misterioso sumiço de nada menos do que 600 pessoas, jamais tenha sido mencionado em jornal, livro ou programas de televisão. As páginas, blogs e grupo de discussão brasileiros desconhecem o acontecimento e os poucos que falam a respeito o consideram altamente questionável. Em termos gerais, um caso desse tamanho deveria figurar em vários lugares, deveria ser debatido, comentado, esmiuçado... mas não! Não há praticamente nada escrito em português sobre um lugar chamado Hoer Verde (nome aliás muito esquisito para batizar uma cidade brasileira). 

Tudo parece vir de fora e por isso, decidi fazer uma busca a respeito. Joguei o nome no Google e pesquisei várias páginas sem encontrar qualquer indício que pudesse validar a história. Na maioria das páginas, a estória é contada da mesma maneira com algumas pequenas variações.

Em um blog americano chamado "Unexplained.net", conversei com o autor do artigo a respeito de Hoer Verde, um cara chamado Chris Capps. Ele foi bastante simpático, mas reconheceu que havia meramente copiado a narrativa de outro lugar - infelizmente ele não lembrava onde. Quando disse que eu era brasileiro, e que nunca tinha ouvido falar desse caso ele ficou desanimado: "Será que não é verdade?" perguntou, mas logo em seguida sugeriu: "Talvez isso tenha acontecido muito longe em alguma selva ou faz muito tempo e por isso você nunca ouviu falar". Eu não quis entra no mérito, mas na boa, a explicação de "aconteceu há muito tempo, em algum lugar isolado" não me convence.

Não me dei por satisfeito, encontrei mais um fórum de discussão no reddit, dessa vez administrado por um russo que escrevia em inglês. O tópico com mais de 200 mensagens tratava de "Mistérios Paranormais". Lá, o caso de Hoer Verde estava elencado entre os 10 casos de desaparecimentos mais estranhos de todos os tempos. Segundo o autor ele era o número 7. Perguntei a ele qual a sua fonte e ele desconversou: "Achei em algum lugar da internet". É possível que ele tenha seguido um link do jornal Russo Pravda que em 2004 publicou a estória com sendo um fato (!) 

A grande verdade é que Hoer Verde parece ser uma daquelas estórias fabricadas, um misto de lenda urbana e invenção que parece crescer cada vez que é contado. O pior é que mais e mais pessoas compartilham essa estória achando que ela é real. No blog "Lendas e Contos", "shironaya" seguiu o mesmo caminho das pedras que eu para escrever o artigo  intitulado "Desaparecendo na Quarta Dimensão". Lá ela comenta ter conversado com algumas pessoas e que uma chegou a afirmar ter encontrado informações sobre Hoer Verde em um Museu quando visitou o Brasil. É claro, a tal pessoa não lembrava o nome do Museu e nem onde ele ficava...

Coo dizem, "quem conta um conto, aumenta um ponto", no caso dessa estória todosparecem dispostos a contar algo e aumentar ainda mais a lenda.

Parece óbvio que páginas estrangeiras se aproveitam do fato do caso ter supostamente ocorrido em um lugar exótico e há muito tempo para usar esses elementos como uma espécie de desculpa para que ele seja tratado como um acontecimento obscuro. 

Mas por mais interessante que a lenda possa parecer e por mais intrigante que seja a narrativa, Hoer Verde parece um relato completamente fabricado, do início ao fim.

6 comentários:

  1. Sério? Hoer Verde? O que diabos é Hoer para começo de conversa?! Cheirando muito a farofada, digo lenga-lenga, quer dizer, lenda urbana, isso tudo... Que nem o creepypasta do experimento russo de privação de sono.

    ResponderExcluir
  2. Essa Lenda Urbana parece fazer referência aos relatos sobre a decadência das "cidades do ouro", nas províncias de Goiás e de Mato Grosso, após o Breve Ciclo do Ouro ... Houveram várias localidades e até mesmo cidades, que foram abandonadas, ou pior, foram minguando por décadas, até desaparecerem...

    "Hoer" deriva do inglês arcaico, significando "pessoa que trabalha com sancho ou enxada", o que faria todo o sentido para designar uma localidade perdida na Nova Inglaterra, mas NÃO no interior de Brasil(a não ser que seja uma comunidade Amish).

    "Verde" foi o toque de "veracidade". Se considerarmos apenas os municípios existentes(nesse relato está com cara que seja uma localidade) de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (que, na época, certamente era Mato Grosso)... e Tocantins (Norte de Goiás), bem, há um sem fim de "Verdes", que pode ser este, ops, mas não, me confundi, é aquele outro:

    Ouro Verde, Campos Verdes, Rio Verde, Carmo do Rio Verde, Campo Verde, Monte Verde, Luca do Rio Verde, por aí vai...

    ResponderExcluir
  3. Em tempo: uma das explicações para o nome incomum afirma que esse nome "Hoer" é derivado de uma tradução feita por um jornal russo e que aparentemente Hoer não deve ser o nome verdadeiro, pois na tradução do alfabeto cirílico usado na Rússia o sentido se perdeu. Pelo menos é isso que achei a respeito.

    ResponderExcluir
  4. Outra versão do relato é assim descrito, no
    The Cloaked Hedgehog:

    "No Brasil havia uma aldeia de 600 pessoas que aparentemente desapareceu da face da terra em 5 de fevereiro de 1923.
    A história conta que havia uma aldeia na selva amazônica, ao longo do rio. Um barco fazia paradas regulares pela aldeia. Um dia, todos os aldeões desapareceram. A polícia revistou cuidadosamente a aldeia, mas não encontrou evidências de crime, violência, pilhagem, corpos ou qualquer outra coisa que explicasse a situação.
    No prédio da escola contudo foi encontrada uma arma, que tinha sido utilizada no dia anterior, e uma mensagem peculiar no quadro-negro:'Não há salvação'
    Nenhum dos aldeões nunca foi visto novamente".

    Mas interessante é o comentário apresentado:

    (...)"Eu procurei na internet como um louco por dias e simplesmente não consigo encontrar nenhuma forma de confirmar essa história.
    O nome é a primeira coisa que me confunde. Hoer. Por que uma vila da Amazônia brasileira teria um nome parcialmente holandês? Bem, eu acho que não é impossível, mas ... Eu também vi o nome da aldeia como Joya Verde, o que faz mais sentido, linguisticamente falando [hum...tá], mas eu ainda não consigo encontrar uma fonte confiável de que esta aldeia já existiu ou se esses eventos realmente aconteceram."(...)

    ResponderExcluir
  5. bom, o google tradutor identifica Hoer como uma palavra de origem holandesa com um significado que não ajuda em nada. Meretriz, rameira ou prostituta. Tentei "verde" em holandês e não deu em nada... porem "verd" significa conseguir, obter. Claro, tudo isso partindo da ideia de que Hoer é uma palavra que existe e que realmente é de origem holandesa.

    ResponderExcluir